sábado, 4 de setembro de 2010

A Ditadura do Metal

O mundo do metal é cheio de dogmas, crenças e referenciais.
  • “Metaleiro não pode curtir outros gêneros musicais.”
  • “Quem não tem todos os cds originais de uma banda (incluindo demos, live in sei lá onde e etc.) não curte a banda e não pode usar a camiseta da banda.”
  • “O verdadeiro fã de metal é aquele que só se veste no ‘estilo’, ou seja, usa somente roupas pretas.”
  • “Uma pessoa não pode gostar de uma banda que tenha começado antes de ela ter nascido.”
  • “Se uma banda de metal aparecer na TV, os seus integrantes se tornam ‘mercenários.’”
Anette e uma das suas polêmicas meias coloridas.
Esses foram apenas alguns exemplos dos dogmas do metal, há muitos outros.  Os fãs que seguem estas “regras” ao pé da letra esperam que os seus “ídolos” ajam da mesma forma. O que o diga Anette Olzon, atual vocalista da banda, de heavy metal sinfônico, Nightwish. O figurino e o ecletismo da cantora têm gerado polêmica entre os fãs do Nightwish. Claro que, além disso, existe o fato de algumas pessoas não se conformarem que ela esteja ocupando o lugar da antiga vocalista da banda, a finlandesa Tarja Turunen. Mas essa é outra história...

Ao contrário que alguns fãs, Anette não limita o seu gosto musical a apenas bandas de metal. Não, além de metal, a vocalista curte outros gêneros musicais, como pop, por exemplo. Anette pouco se abala com as criticas que recebe e, em uma ocasião, comentou no seu blog oficial sobre o radicalismo na música: “Todos nós temos diferentes gostos na música... Nós devemos ter e isso é ótimo. E quando se trata de 'regras' e tal radicalismo que podemos ver não somente no metal, mas em outros gêneros também, eu acho que é triste para a música. Música deve ser alegre, quebrando fronteiras, tornando as pessoas mais próximas, fazendo as pessoas sentirem, se abraçarem e falarem com seus corações e almas, e mais do que isso, preencher o mundo com sons diferentes... Como eu disse antes, quando falei sobre diferenças nas pessoas, eu não quero ouvir apenas UM som todos os dias, eu quero ter sons diferentes ao redor.”

Eu penso da mesma forma que a Anette, música é música, independentemente do gênero. Assim como ela, eu não quero ouvir o mesmo tipo de som todos os dias. Eu adoro metal, mas não concordo com essas “regras”, e muito menos as sigo.  Ouço o que agrada os meus ouvidos. 

Anette e um dos seus "excêntricos" modelitos.
Outro aspecto que tem sido bastante criticado na vocalista do Nighwish é o seu estilo de se vestir. A cantora usa roupas de várias cores e modelos, não está preocupada se o seu look está dentro do “estilo metal” ou não. O seu figurino é alvo de muitas criticas, os fãs mais radicais se mostram revoltados com o fato dela não seguir as “regras do movimento.” Anette, por sua vez, não dá confiança pra este tipo de comentário e se veste de acordo com o seu gosto.

Outra vez, digo que penso que a Anette está certa em não seguir o “padrão” imposto. As pessoas tentam padronizar tudo e, muitas vezes, deixam de ser elas mesmas. Apenas se preocupam em seguir o “padrão” aceitável. E isso não acontece somente no mundo da música, seja no metal ou em outros estilos musicais. Ocorre em todas as tribos, lugares e etc.

É tudo uma questão de gosto pessoal. Cada um deve se vestir como se sente bem. Se a pessoa gosta de se vestir somente no “estilo metal” OK, no problem. Há problema quando a pessoa age de um certo modo apenas para se enquadrar numa tribo.

Eu gosto de algumas roupas da Anette e de outras não, faz parte. O que eu posso achar feio você pode achar bonito e vice versa. Não podemos agradar a todos, pois as pessoas são diferentes. O importante é que sejamos nós mesmos, SEMPRE! É isso.

Confira abaixo alguns dos looks da Anette:
(Para visualizar melhor clique na imagem para aumentá-la).

6 comentários:

  1. Vc acertou! Eu já fui roqueira e é assim msm! E acho legal ela não se importa com isso..

    ResponderExcluir
  2. Eu não sabia que tinha esses dogmas não... Mas eu achava estranho alguns roqueiros dizerem que tem personalidade mas se vestem e gostam do mesmo jeito que os outros no grupo... Eu sou eclética, mas teve uma época que eu só gostava de pop (Wstlife, Backstreet boys) e depois rock (Red Hot, Guns, Metallica)influência de amigos e parentes que me mostraram e gostei. Por não ter muito contato com outros gêneros (pagode eu não era muito fã), ai fiz aula de violão e meu professor me passava muitas músicas MPB, Baião, Chalana e etc... E conhecendo as histórias, origens, eu fui gostando muito mais das músicas brasileiras, porque antes eu ouvia mais essas bandas que eu citei...
    Devemos procurar o que nós gostamos de verdade, acho que esse negócio de rótulo não tá com nada, você tem que ser você mesmo sem se preocupar com os outros que derrepente não tem personalidade e por não ter criticam.
    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Ah! Eu amo a Anette!
    Sou 'metaleira',no bom sentido (porque hoje a imagem é tão deturpada).
    Quem se considera metaleiro (entre a tribo dos que curtem metal) são todos posers. quem gosta de metal mesmo não precisa se auto titular. gosto de metal e escuto desde pequena, mas tenho a cabeça aberta pra tudo.
    Quem se auto titula metaleiro é aquele cara na fase da adolescência que não sabe o que quer e só por ser metal já pensa que tem pacto com o diabo. Esses caras falam falam e falam mas tem horário pra dormir, sair e fazer o que querem...
    Essa auto-titulação é pra quem é sem personalidade...
    Visita meu blog depois...tem alguns posts da Anette inclusive em um deles ela deixou um comentário oficial no meu blog

    Boa semana
    ;*

    Marina

    ResponderExcluir
  4. Entçao, ela comentou neste aqui
    http://maniasdebenetti.blogspot.com/2010/03/anette-olzon-little-angel.html

    ;*
    Marina

    ResponderExcluir
  5. Confesso que fiquei um pouco triste quando da saída da Tarja. Mas mudei de opinião quando soube os motivos pelos quais ela foi demitida. Estrelismo. Ela começou a abandonar shows com ingressos esgotados para "sair com amigos" Onde ficava o respeito pelos fãs?
    Continuo gostando dela em trabalho solo independente de como ela é na vida pessoal. Assim como também continuo gostando do Nightwish com a Anette, embora ache que a linha de vocal desta mudou totalmente o estilo da banda.

    Quanto às regras do metal, acho umas bobagens. Quando eu era adolescente também me vestia inteira de preto, não tinha outra cor de roupa no armário. Mas por que eu achava estéticamente muito bonito, não porque era uma regra a ser seguida (ou talvez era, inconscientemente).
    Hoje eu sou casada e mãe de duas filhas, continuo ouvindo metal entre outros estilos, claro, mas me visto como uma pessoa normal. A gente tem que trabalhar... e no mais, imagine que ridículo seria uma mãe de família vestida como uma adolescente! hahahahaha

    Respeito muito a Anette, e nunca foi um incômodo pra mim o modo com ela se veste. Quem reclama disso são fanáticos, aqueles que encaram o estilo metal como uma religião. Não respeito nenhum tipo de fanatismo. Eles querem que ela seja uma outra Tarja, mas isso ela não é. Ela é a Anette, e faz muito bem o trabalho que se dispôs a fazer.

    Adorei a matéria.
    Nunca imaginei que gostasse de metal.

    Abraços

    ResponderExcluir
  6. "Nunca imaginei que gostasse de metal."

    Já disseram que eu tenho cara de pagodeira! Acho que é o sonho de muita gente me ver andando com roupas provocativas e coloridas.
    Bem já fui pior com relação a usar preto, não sou mãe de familia como a Lady, mas aprendi a valorizar as cores, ser fresca quando necessário e quer saber nem me importo se acham que sou isso ou aquilo. Simplesmente eu sou.

    Bem Lady, surpresa somos adeptas do Rock em geral ahhahah

    bjss

    ResponderExcluir

Opiniões diferentes serão respeitadas, apenas pedimos que sejam expostas com bom senso e respeito. Sente-se e não se esqueça de sua xícara de café. Desabafe conosco!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...